Está no vermelho? NÃO compre á prazo!

Quer sair do vermelho? Então apague de vez da sua mente a ideia de comprar hoje e pagar mais tarde. Mesmo com a queda nas taxas de juros, quem quer se empenhar na redução de dívidas não pode nem pensar em manter-se endividado.

As pressões do governo federal no sentido de forçar os bancos a reduzirem o ágio praticado em suas políticas de concessão de crédito surtiram efeito em diversos produtos, desde o simples empréstimo pessoal até a taxa de juros praticada nos contratos de financiamento bancário. Entretanto, compras a prazo sempre significaram e continuam sendo sinônimos de perda de patrimônio e esse quadro não mudou, haja vista que os juros permanecem altíssimos. Quer um exemplo?

Para se ter uma ideia do quanto as compras a prazo são antônimos do controle de gastos, a taxa de juros anual de um simples cartão de loja (aqueles das lojas de departamento, usadas no setor de vestuário) podem chegar a incríveis 621% ao ano – números próximos às taxas praticadas pelas operadoras de cartão de crédito. Mesmo com a queda nas taxas básicas, continuam impondo cerca de 300% de juros aos endividados.

Assim, controle de gastos de uma família endividada passa, necessariamente, pela redução de despesas familiares a fim de angariar a maior quantidade de recursos possíveis para quitar todas as dívidas. O esforço central das famílias deve ser quitar as dívidas para evitar contrair outras no futuro e mudar a maneira de administrar seu salário.

O cheque especial possui juros de cerca de 151% ao ano. Uma vez que suas dívidas estejam todas pagas, eliminar os financiamentos e aprender a viver apenas com o que se ganha é fundamental para manter-se no azul. Fuja do empréstimo pessoal e aprenda a investir seus recursos em poupança.

Consulte já seu CPF ou CNPJ!